Existem diversos métodos para se inovar. Acredito que para inovar temos que resolver os problemas que surgem em decorrência das constantes mudanças do mercado.

Utilizo a abordagem da inovação como um processo de aprendizagem experiencial. Por isso é que temos que usar um método de inovação centrado no ser humano, entendendo profundamente as necessidades dos diferentes públicos de interesse.

Estas necessidades podem ser:

  • explícitas, aquelas que as pessoas conseguem verbalizar;
  • tácitas, aquelas que as pessoas têm mas não conseguem explicar;
  • latentes, aquelas que as pessoas nem sabem que têm.

Tenho pesquisado como é possível oferecer uma abordagem sistêmica que se aproxime do método científico com hipóteses, observações, verificações e experimentações.

Para tanto, combino diversos métodos de inovação:

  • Design Thinking – método de solução de problemas centrado no ser humano.
  • SCRUM dos métodos ágeis de implementação de projetos
  • MVP do Lean Startup
  • Canvas do Business Model Generation
  • Inovação de valor proveniente da estratégia do Oceano Azul.

Este método é aplicado juntamente com o PBL (Project/Problem Based Learning), e age na solução de um problema real da organização utilizando as dinâmicas de workshops como processos de aprendizagem experiencial, onde os participantes trabalham com colaboração em times, de forma a promover efetivamente a capacitação em inovação. São 4 as fases para identificar e resolver o problema:

Fase 1: Exploração
Fase 2: Definição
Fase 3: Ideação
Fase 4: Experimentação

À medida que as equipes evoluem no processo, são trazidos aportes teóricos e práticos sobre a resolução criativa de problemas complexos. Os participantes aprendem a usar diferentes técnicas e ferramentas para ajudá-los a superar os períodos de incerteza e ambiguidade característicos do processo de inovação.