O mercado têxtil foi um dos primeiros a sofrerem com a globalização e com o  fenômeno de desindustrialização nesse setor. O desafio dessa indústria é  enorme devido à constante procura pela redução do custo da matéria prima e do custo de fabricação, fato que leva as indústrias a procurarem diferentes locais mundo afora. No workshop da Associação Brasileira das Indústrias Têxteis fomos convidados a facilitar uma oficina para demonstrarmos a metodologia do Design Thinking para os associados da ABIT, em parceria com a Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Fundação Vanzolini.

O objetivo dessas parcerias é oferecer aos associados da ABIT a possibilidade de se prepararem para o fortalecimento de suas exportações,  bem como para a criação de vantagens competitivas no mercado local.

Fala-se muito em inovação hoje em dia, e a melhor maneira de apresentar uma metodologia de fácil aplicação nas organizações é através de oficinas de aprendizagem experiencial que possibilitem a tangibilização de novas idéias que gerem resultados para o crescimento das organizações.

A IntoActions mostrou algumas ferramentas práticas que tornam possível entender as necessidades dos clientes dessas indústrias e lançou o seguinte  desafio para o evento: como podemos melhorar a competitividade da cadeia de valor têxtil?

O que tentamos mostrar é que há um limite para a eficiência fabril e, nesse contexto, o Design Thinking pode agregar muito valor aos produtos, entendendo as necessidades dos seus clientes finais e criando vantagens difíceis de serem copiadas

Os participantes também lidaram com a construção de protótipos que auxiliassem as equipes a superarem as fases de incerteza e ambiguidade características no processo de inovação.

Categorias: | Post escrito por: Edgard Stuber